Maringá Soldas dobra exportações depois de projeto para captação de recursos com a Valuup

Líder nacional no mercado de reposição de peças de veículos automotores, com a produção de cabeçotes para motores a diesel, a Maringá Soldas, comemora a expansão da sua gama de produtos e a ampliação significativa no mercado internacional.

Essa história começou com o desafio da empresa na preparação da expansão para as exportações “nós vimos a necessidade de dar um passo adiante, depois de mais de 40 anos de atuação e consolidada liderança no mercado nacional, precisávamos ter condições reais de concorrência no mercado internacional”, conta o diretor comercial da empresa, Jose Luís Martin.

Foi com a necessidade de captar recursos para investimento na capacidade da fábrica que a Maringá Soldas chegou na Valuup. “O que fizemos foi elaborar um projeto consistente para que as instituições financeiras tivessem a visão real do potencial da empresa no mercado internacional” explica Luís Gustavo Budziak, sócio da Valuup.

“Foi muito importante ter a Valuup nos assessorando em todo esse processo, o material que eles prepararam sobre nossa empresa foi fundamental para que tivéssemos êxito em nosso financiamento”, complementa Martin.

Com o investimento a Maringá Soldas pode importar tecnologia e complementar a oferta de produtos, o que foi determinante para enfrentar a concorrência internacional.

“Nossa expansão nas exportações foi fundamental neste período de crise interna, atravessamos muito melhor a crise brasileira e hoje comemoramos os resultados do projeto” enfatiza o diretor.

A empresa dobrou as exportações depois de consolidado os investimentos proporcionados pelo recurso captado. “É muito importante que todo o processo da captação de recursos para expansão de empresas seja estudado e analisado com cuidado, isso traz segurança para a empresa que dá um passo adiante e também para as instituições provedoras do crédito, todos saem ganhando”, ressalta Budziak.

Valuation como estratégia aplicada

Nem só de fusões e aquisições vive o valuation. Determinar o valor da empresa é uma ferramenta que pode ser utilizada em múltiplas situações estratégicas da empresa.

A Bentonita, empresa do setor de mineração, utilizou o estudo em um estágio de evolução da empresa. A avaliação técnica contribuiu para o rearranjo societário.

O diretor, Felipe Corbellini, destacou que o profissionalismo foi determinante para o sucesso do processo, “ficamos muito satisfeitos com o estudo, o engajamento dos consultores contribuiu muito para que tivéssemos o resultado esperado”, conta o diretor.

Outra questão apontada por Corbellini como positiva no processo foi o reconhecimento da metodologia por todas as partes interessadas. “Não tivemos questionamentos com relação aos resultados e com o formato escolhido pela Valuup, ficamos muito seguros com todos os parâmetros utilizados” declara.

O economista e sócio da Valuup, Lucas Dezordi, ressalta a importância dessa ferramenta no processo decisório e como o projeto colaborou com a empresa. “A Bentonita entendeu que o valuation poderia ser utilizado como uma ferramenta estratégica de gestão baseada em valor. E, com isso, os gestores puderam ampliar sua visão do negócio e enfrentar melhor seus desafios” complementa Dezordi.

Um dos diferenciais também destacados pela Bentonita foi o prazo de entrega. “O trabalho foi entregue na data combinada, isso nos dias de hoje se tornou um diferencial, ficamos muito satisfeitos com o comprometimento de toda a equipe da Valuup”, enfatiza Corbellini.

Valuup reestrutura gestão da Vinhedos do Monte Agudo

A importância do controle e gestão profissional para o futuro dos negócios

 

São 14 anos de história e muito investimento para fazer um dos melhores vinhos da Serra Catarinense. Além dos 1.200 metros de altitude, a menos de 100 quilômetros do mar, a Vinhedos do Monte Agudo conta com a colaboração do clima: o frio intenso favorece o estresse da planta, seguido de um verão seco, resulta em uvas de excelente qualidade.

A produção é pequena e muito cuidadosa, são apenas 20 mil garrafas por ano.

Os Desafios

A Monte Agudo leva o DNA da família Rojas Ferraz que cuida pessoalmente de todo o processo. Em 2018, com o crescimento da empresa, buscou a Valuup para reestruturar e profissionalizar a gestão.

“Nós entendemos que era preciso dar um passo adiante e ter um controle das finanças da forma precisa e real,” explica o CEO da empresa, Leonidas Rojas Ferraz.

A primeira fase – quanto custa cada garrafa de vinho?

Em um primeiro estágio a Valuup elaborou o custo real de cada garrafa de vinho. Como as coisas eram feitas de forma intuitiva e por pura paixão pelo vinho, não havia gerenciamento de todos os insumos e infraestrutura necessária para a produção. “Estudamos todo o processo, desde a plantação até a logística de entrega do vinho ao consumidor final”, conta o sócio da Valuup, Luís Gustavo Budziak, responsável pelo projeto.

A segunda fase – A reestruturação e o controle

Em uma segunda etapa, que já completou 100 dias, a Valuup fez a reestruturação da administração e governança. Um sistema embrionário de gestão já está implantado e em funcionamento. Os fluxos de processo e controle foram desenhados e o sistema financeiro já está em operação.

Esse processo elevou a Monte Agudo de uma gestão familiar e intuitiva para o modelo profissional de comando e tomada de decisões. Os controles internos permitem analisar a real situação financeira e criar estratégias futuras.

“Até o momento, nossas vendas se restringiam aos visitantes do vinhedo e à região de Florianópolis. O gerenciamento profissional dará suporte para que a arte do vinho da Monte Agudo chegue em outros lugares,” salientou Ferraz.

O futuro

A Monte Agudo irá potencializar a produção e abrir mercado em 35 novas cidades.

A profissionalização da gestão e da governança somadas ao controle financeiro irão contribuir de forma significativa para o crescimento das vendas e a ampliação de mercado.

“Estamos muito mais confiantes com o futuro e sabendo o que precisa ser feito. Essa experiência com a Valuup está sendo muito desafiadora, mas a energia deles nos impulsiona a colocar o planejamento em prática,” declara o CEO.

Estudo realizado pela Valuup consegue reduzir tarifa do OGMO do Porto de Paranaguá

Órgão reduz contribuição e devolve valores aos segmentos de cargas superavitários.

Após a revisão dos valores de custeio das ações trabalhista, o OGMO do Porto de Paranaguá, conseguiu reduzir o valor da tarifa arrecada do fundo para custear as despesas com ações trabalhistas para os próximos cinco anos. Além da contribuição menor, foram devolvidos aos segmentos de cargas superavitários 50% dos valores. A ação foi proposta pela Valuup depois dos estudos encomendados pelo órgão.

Desde 2006 o OGMO arrecada valores dos operadores portuários para fazer frente ao volumoso passivo trabalhista gerado em razão da tomada de mão de obra dos trabalhadores portuários avulsos, sendo que em 2013 a tarifa sobre o MMO (Montante de Mão de Obra) foi revertida para tonelagem.  No entanto, em razão da adoção pelo OGMO de inúmeras medidas para mitigar o passivo trabalhista, em 2018 quando da conciliação dos valores, o OGMO percebeu a necessidade revisar as tarifas arrecadadas. “Percebemos, analisando nossas planilhas, que era preciso equilibrar os valores dos segmentos de operadores portuários e resguardar a solidez do OGMO, mas pra isso precisávamos de um parecer econômico que embasasse a nova contribuição sem afetar a questão concorrencial” explica Shana Carolina Colaço Bertol, Diretora Executiva do OGMO Paranaguá.

Nesta perspectiva, o OGMO contratou a consultoria da Valuup para analisar e mostrar o melhor caminho para um fundo sustentável e justo para os operadores. “Conseguimos fazer uma análise ampla da situação e mostramos a realidade da questão, levamos em conta todas as variáveis, quando se fala em tarifa não se pode achar nada, tudo precisa ter uma explicação” explica Luís Gustavo Budziak, economista da Valuup.

“O resultado foi muito positivo, conseguimos diminuir o valor e principalmente equilibrar as tarifas com um estudo embasado na nossa realidade” conclui Bertol.

“Um dos grandes valores do nosso trabalho, nos dias de hoje, é levar conhecimento para nossos clientes, a transparência nas negociações e operações nunca foi tão valorizada neste país” ressalta Lucas Dezordi, economista da Valuup.

Projeto FAEP

A Valuup foi contratada pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), em fevereiro de 2016, para preparar e entregar um parecer econômico-financeiro sobre os impactos das perdas cambiais da indústria do açúcar aos produtores rurais de cana-de-açúcar relativas à safra 2015/16.

O CONSECANA-PARANÁ tem como objetivo principal sinalizar, mensalmente ao setor, o preço do Açúcar Total Recuperável (ATR) realizado no mês e projetado para a safra, o preço de comercialização dos produtos, o, o preço do ATR por produto e a projeção da cana básica para a safra. A coleta e análise das informações são elaborados por professores do Departamento de Economia Rural e Extensão da Universidade Federal do Paraná, segundo o convênio de cooperação técnica firmado entre FAEP/SIALPAR/SIAPAR e a Fundação da Universidade Federal do Paraná (FUNPAR).

Nosso estudo forneceu elementos econômicos e financeiros consistentes para o debate referente às propostas de mudanças na metodologia para apuração dos valores em Reais do açúcar exportação e possíveis repasses de perdas cambiais da indústria para os produtores rurais.

BRA Equity

Análise de investimento e viabilidade

 

A BRA Equity investe em diversos empreendimentos imobiliários em todo o território nacional. Em 2016 recebeu aportes dos Fundos de Investimento Imobiliário  e precisava de um advisory que avaliasse seus investimentos imobiliários pelo valor justo, com o objetivo de atender aos requisitos estabelecidos pela CVM. A VALUUP, por meio da ferramenta de fluxo de caixa descontado, analisou a viabilidade de investimentos dos empreendimentos da BRA Equity e nosso trabalho contribuiu para o suporte de  registro dos valores, tanto na empresa quanto no fundo.

Projeto Sinpacel

Em 2016, o Sinpacel – Sindicato das Indústrias de Papel e Celulose do Paraná – e a Valuup Consultoria iniciaram uma parceria com o objetivo comum de avançar nos estudos econômicos do setor e monitorar periodicamente seu desempenho a partir do desenvolvimento em conjunto do Boletim Econômico Mensal.

O maior desafio constituiu em apresentar um conjunto de informações relevantes das atividades industriais, segundo CNAE 2.0, Grupos: 171 a 174. Neste sentido, os relatórios passaram a fornecer uma visão detalhada do comércio exterior, mercado de trabalho (Caged), produção física industrial e perspectivas macroeconômica nacional.

Os associados agora poderão acompanhar o desempenho do setor com o ambiente nacional e comparar seu negócio com as referências de mercado.