Redução de Despesas Fixas e Diversificação de Produtos

Lições aprendidas com a pandemia da COVID-19 por quatro diferentes setores

Na última quarta-feira, dia 13/05/20, a Valuup promoveu um encontro virtual de cinco empresas pertencentes a quatro diferentes setores: mineração, metal mecânico, autopeças e financeiro. O objetivo era apresentar as lições já aprendidas na pandemia da COVID-19 e perspectivas para retomada econômica.

Os pontos de maior destaque foram:

  1. Novas oportunidades de produtos e produtos exclusivos;
  2. Atenção especial aos estoques;
  3. Economia provocada pelo home office;
  4. Dificuldade de acesso ao BNDES Giro;
  5. Aumento do protecionismo das empresas e países.

Da porta pra dentro das empresas é consenso que o caixa é o que importa. Cash is the king! No entanto, o diretor da Perfimec, Marcelo Utrabo, destacou que a empresa vem dando especial atenção aos estoques, principalmente porque é dependente de fornecedores de grande porte (aço) e por ter um ciclo financeiro longo. Utrabo lembrou que os fornecedores ainda não estão “queimando preço” e que não sabe se isso pode ocorrer devido ao impacto da variação cambial.

Outro ponto importante se refere à redução das despesas fixas para as empresas com a adoção do home office. Marcos Marcatto, diretor da Enaex Britanite, lembra que o home office representou uma economia significativa para a empresa. Outro ponto enfatizado por Marcatto foi a baixa inadimplência do setor em que atua. A Enaex opera no setor de mineração, e os impactos da crise econômica foram baixos para o setor  até o momento.

Outra empresa no setor de mineração, a T- Minas Bentonitas, também não está sofrendo muito com a crise atual, afirma Felipe Corbellini, diretor da empresa. Isso se deve ao fato de a empresa atuar fortemente no fornecimento de matéria-prima para o agronegócio. Porém, o executivo reclama que não consegue acessar as linhas de crédito prometidas pelo governo, como o BNDES Giro.

O impacto positivo, por conta da redução de despesas fixas em decorrência do home office, também foi abordado por Eduardo Freitas, diretor da Junto Seguros. Para Freitas, a forma de trabalhar poderá mudar no futuro, tendo redução de aluguéis, despesas de escritório e com funcionários, além de haver maior satisfação dos empregados por trabalharem em casa. Freitas observou que o mundo poderá convergir para um maior protecionismo, não só entre países, mas também no ambiente corporativo.

Buscar novos nichos de mercado, oferendo produtos exclusivos e “quebrar paradigmas”, isso é o que o Grupo Hubner vem tentando fazer, segundo o seu diretor, José Luis Marins. “Pode ser uma oportunidade para consolidar um mercado”, lembra José Luis. Com os olhos no Mercosul, o diretor afirma que a empresa vem tendo dificuldades para receber de empresas argentinas. Apesar de a Hubner atuar num setor que vem sofrendo bastante, o de autopeças, a empresa conseguiu trabalhar fortemente no segmento de reposição de peças e peças para o agronegócio, o que evitou amargar prejuízos.

Os executivos convergem ao destacar a habilidade do brasileiro em lidar com situações de vulnerabilidade econômica, podendo essa habilidade ajudar a contornar a atual crise. Outro ponto destacado é que as exportações, com dólar na casa dos R$ 5,50, podem ajudar a impulsionar a retomada do crescimento brasileiro. Quem sabe o Brasil volta pro jogo!

Preço internacional de commodities, mais uma preocupação para o Brasil

Agregar valor na cadeia produtiva é fundamental

O Conselho Internacional de Grãos (IGC) prevê uma safra recorde em 2020/21, atingindo 2,22 bilhões de toneladas, um aumento de 2% em relação à safra anterior, segundo site Agrolink.

Segundo o Boletim Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos publicado pela CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento), em 20/04/20, a produção brasileira de grãos esperada para 2020 é de 251 milhões de toneladas, superando em 4% a safra de 2019. O Brasil representa 10% da produção mundial de grãos.

O aumento da produção de grãos, decorrente de aumentos de produtividade e de área plantada, não são acompanhadas de aumento de preços. Ainda que possam passar desapercebidas devido a desvalorização cambial, o histórico real de preço nos mostra justamente o contrário.

O gráfico abaixo demonstra a queda dos preços reais, em moeda constante, das commodities. Observamos que nos últimos 100 anos os preços médios caíram praticamente pela metade.

Segundo Miguel Daoud, em sua entrevista no 17/04/2020 no Canal Rural, o produtor rural deveria pensar em formas de agregar valor às commodities, quebrando a dependência de exportação de grãos. Da mesma forma políticas agrícolas dos governos deveriam induzir o desenvolvimento da cadeia do agronegócio de modo a agregar valor aos produtos primários, gerando maiores ganhos para o produtor.

Repensar estrategicamente, no sentido de buscar novas fontes de financiamento para possibilitar investimentos que possibilitem a agregação de valor aos produtos primários, deve estar no radar dos agentes agrícolas.

O lado real da crise: Fluxo de caixa

“Uma empresa não quebra por falta de lucro, ela quebra por falta de caixa.” Essa foi a afirmação de Luiz Antônio Giacomassi Cavet, CFO da Cocelpa, empresa de papel e celulose, na região de Curitiba. Cavet participou, junto com mais de uma dezena de outros empresários, do evento on-line organizado pela Valuup, que discutiu o lado real da economia em meio à crise.

Cada participante teve três minutos para falar sobre as maiores aflições neste momento de incertezas. A maioria citou o caixa como um dos principais pontos de atenção. “Nós ouvimos de muitos empresários sobre a queda abrupta no caixa da empresa. Como pagar salários? Como honrar compromissos com fornecedores? Então, questionamos se as ações do governo estão sendo suficientes. A resposta é que ainda há uma cortina de fumaça sobre essa questão,” relata Luís Gustavo Budziak, sócio da Valuup e um dos organizadores do evento.

“A realidade é que os bancos estão restringindo o crédito e criando dificuldades que teremos que vencer”, segundo Danny Berté, CEO da Perfimec. Essa também foi a opinião de Gilberto Heinzelmann, CEO da Zen, empresa de metalmecânica. “O governo fez os anúncios, mas os recursos não estão chegando na ponta, nós não temos acesso,” explica Heinzelmann.

Dario Beccari, diretor da Mecanotécnica, diz que há um grande esforço pra resolver o problema de caixa, mas que de um dia para outro os clientes deixaram de pagar os produtos que foram enviados. Reforçou que o desafio está chegando a todos os níveis.

A mesma preocupação está na WHB. Ricardo Cecy, CFO da empresa, informou que as medidas governamentais não facilitaram em nada o acesso às linhas de crédito. A empresa passa por uma recuperação judicial e avalia solicitar um novo stay period (colocar link da matéria sobre o assunto) para preservar o caixa da empresa. Cecy também falou da dificuldade das empresas que trabalham na cadeia de produção automotiva, uma vez que o setor é um dos primeiros a sofrer retração e o último a retomar as atividades em momento de crise. “Quem é que vai pensar em comprar um carro novo em um momento como esse?”, questionou o empresário.

A conclusão a que se chegou, depois de ouvir os debatedores, é de que os problemas são comuns, independente do tamanho ou setor de atuação, e de que as fontes de financiamento serão um grande entrave para a recuperação da economia. “Já sabemos onde está o problema, mas ainda não há resposta certa, nem ações efetivas por parte do governo. Nossas dúvidas agora alcançam outro nível, ainda não é possível desenhar um cenário futuro, o momento é de muita incerteza”, conclui Budziak.

Empresários traçam cenário real da economia em meio à crise

O evento online, promovido pela Valuup Consultoria, na manhã desta quarta-feira, (01/04), reuniu cerca de 200 pessoas e trouxe a realidade de mais de uma dezena de empresários. Os organizadores trouxeram para discussão os mais diferentes setores: metal mecânica, serviço hospitalar, supermercados, fundos de investimentos, portos, TI, agronegócio, entre outros.

A Valuup questionou as lideranças empresariais sobre as dificuldades enfrentadas neste período de crise. Os participantes abordaram desafios comuns em diferentes realidades.

A maioria dos debatedores pontuou a manutenção dos empregos e o cuidado com os colaboradores como prioridade dentro das empresas. Os pagamentos de fornecedores, principalmente os de menor porte, também estão entre as preocupações em meio à crise.

Empresários relataram atenção total com o fluxo de caixa e dificuldade para acessar linhas de crédito. No cenário real, os anúncios governamentais sobre liberação de recursos para ajudar empresas a enfrentar a pandemia não estão chegando na ponta.

Além dos depoimentos dos convidados, a organização do evento promoveu questionamentos ao público para entender a opinião de quem acompanhava o debate online. Quando questionado sobre qual setor sofreria mais os impactos da crise, 56% do público disse que o comércio seria o mais afetado, seguido de serviços, com 27%. Construção civil ficou com 9% e indústria de transformação com 7%.

Sobre quanto tempo a empresa sustentaria a operação na situação atual, 44% dos participantes responderam que por apenas dois meses. Até três meses, 21%; também com essa porcentagem, os empresários conseguiriam segurar de três a seis meses. Apenas 14% disseram que conseguiriam manter as portas abertas por mais de seis meses.

A esmagadora maioria, 87%, afirmou estar encontrando muita dificuldade para acessar financiamento novo para capital de giro.

Os convidados falaram sobre seus enfrentamentos e prioridades, no entanto, não conseguiram traçar um cenário futuro, o momento ainda é de muita incerteza. Contudo, houve muitos relatos de esperança e solidariedade, com a certeza de mudanças profundas na cultura e na dinâmica da economia global.

6 alertas de gestão financeira na pandemia COVID-19

O temor ao coronavírus inundou a vida de todos. Mas certamente tem outro temor que tem tirado mais o sono de boa parte dos empresários no Brasil: como manter o caixa vivo em tempos de coronavírus.

Além das prevenções de saúde, é preciso estar atendo à gestão financeira da empresa neste momento, ter o controle da situação é essencial.

Normalmente empresas de médio e pequeno porte não tem caixa futuro suficiente para sobreviver, e o anseio pela crise financeira que está se desenhando coloca em cheque sustentabilidade financeira dos negócios. Algumas dicas para gestão financeira e estabilização do caixa fazem ainda mais sentido neste momento:

  1. Mapeamento completo de custos e despesas: nem sempre os empresários têm o domínio total de todos os custos, despesas e impostos relacionados. Neste momento é fundamental fazer e mapeamento completo, dividindo por grandes grupos e classificando por prioridade para o seu negócio. OBS.: Cuidado com as contas relacionadas a pessoa física que podem estar “penduradas” na pessoa jurídica, eles podem ser determinantes neste momento.
  2. Levantamento e renegociação das dívidas: em muitas empresas as despesas financeiras acabam derretendo todo lucro que poderia gerar. Este é um momento fundamental de levantamento das dívidas com suas taxas e prazos, visando uma possível renegociação das dívidas, as grandes instituições tendem estar dispostos para o movimento de renegociação.
  3. Créditos e financiamentos: os bancos públicos já começam a sinalizar com linhas de créditos diferenciadas, pelo momento, e os bancos privados tendem a seguir o mesmo caminho. Evitando assim que as despesas financeiras não acabem só com o lucro do empresário, e condene a empresa também.
  4. Definição de prioridades: com contas de saída (custos, despesas e dívidas) mapeadas, é o momento de reorganização este mapa, focando no core business da empresa. Descontinuar produtos, linhas e negócios menos rentáveis e priorizar o que mantém a empresa viva no curto prazo, pode ser uma estratégia interessante para este momento;
  5. Negociação de prazos: a situação exige que empresário e sua equipe entrem em contato com os fornecedores e levantem as melhores condições de pagamento, afinal é um momento em que todos estão propensos a este movimento. Com estas informações é necessário voltar a definição de prioridades e por vezes escolher com quais fornecedores manter, não perdendo de vista a necessidade de “sobrevivência” no curto prazo;
  6. Gestão do caixa: a gestão do caixa diário e o acompanhamento sobre a liquidez do negócio se torna a chave mestre deste processo. No fim das contas não é suficiente fazer todos os movimentos citados, se o caixa não realizar o previsto. O caixa se torna o coração da empresa em momentos de crise, e só ele pode sinalizar melhora e/ou piora da saúde financeira.

Todas estas medidas fazem com que possíveis caminhos se abram para que o empresário passe por este período de crise. As informações são as maiores armas para as tomadas de decisões rápidas e eficientes que o momento exige.

A Valuup é especializada em ferramentas econômico financeiras, e pode ajudar com gestão de caixa, estudos de restruturação e soluções financeiras em momentos de crise, nossa equipe está à disposição das empresas que enfrentam estes desafios.

Pequenas e médias empresas adotam debêntures

A opção de financiamento, que até pouco tempo era exclusividade das grandes empresas, agora está mais atrativa e acessível.

A captação de recurso é sempre um desafio dentro de um negócio, seja ele de grande ou pequena proporção. É preciso entender o cenário de cada empresa para busca a melhor opção disponível no mercado.

A emissão de debêntures, tradicionalmente, era um instrumento financeiro de alocação de recursos quase sempre utilizados por grandes empresas. Porém recentemente observamos que pequenas e médias empresas passam a se utilizar desse instrumento. Emissões recentes de debêntures estão abaixo do valor de R$ 50 milhões.

Um dos motivos deste movimento são as dificuldades e o valor dos empréstimos ofertados pelos bancos tradicionais. As pequenas e médias empresas começaram a despertar para a busca por sistemas alternativos de financiamento. Um bom planejamento na hora de captar o recurso pode resultar em um projeto muito mais econômicos e viável.

Normalmente estas operações menores são encarteiradas pelo próprio coordenador da emissão ou por um grupo de investidores. As debêntures acabam sendo uma alternativa mais barata à tradicional (bancos) e passam a ser vistas como uma opção pelos investidores em um cenário de queda significativa de taxa de juros dos títulos públicos e os indexados a eles.

Captações recentes via debêntures (fonte: Valor, 18/02/20)

Empresa Valor captado Remuneração a.a. Prazo/vencimento
Agasus R$ 30 milhões DI + 5,75% 2024
Agasus R$ 20 milhões 12,45% pré 6 anos
Plugify R$ 10 milhões 15,8% 5 anos
Flex R$ 23 milhões DI + 4,7% 2022
Faro Energy R$ 15 milhões IPCA + 4,45% 2030
Mais Educação R$ 1,96 milhões IPCA + 11% NI
Agro Talent R$ 30 milhões DI + 4,3% 2022

O custo para emissão de debêntures sempre foi visto como um impeditivo para a sua colocação. Todavia, as dificuldades para a obtenção de recursos financeiros via bancos (garantias e avais), a queda nas taxas de retorno dos investimentos tradicionais e o encarteiramento pelos emissores, possibilitaram que essa alternativa de captação se tornasse atrativa também para as pequenas e médias empresas.

Para que uma pequena ou média empresa saiba se a emissão de debêntures é a melhor alternativa para o seu objetivo é preciso que se faça um estudo técnico. Com o diagnóstico do cenário é preciso formatar um plano de aplicação para a captação. A Valuup consultoria conta com profissionais experientes em projetos de captação de recurso e está à disposição de empresas que têm esse desafio. 

A expansão da avicultura brasileira

O Brasil deve investir no aumento de produção para exportação de frango

As indústrias de frango devem investir no aumento da capacidade produtiva nos próximos anos para atender mercado mundial. Essa necessidade se dá por dois motivos principais:

O primeiro é a carência do produto no mercado internacional. A peste suina inviabilizou a produção da proteína em vários países, o que, de certa forma, ajudou a consolidar o mercado brasileiro, que é livre da doença.

O segundo é que a produção brasileira está estagnada desde 2013, e caso não expanda em volume, irá perder espaço para outros players que estão investindo em tecnologia para aumento da produção.

A estagnação da produção não foi negativa para o setor, a grande procura pelo produto fez o preço aumentar e com isso gerar crescimento do mercado como um todo. A questão está em continuar sendo competitivo no mercado internacional e acompanhar o ritmo da demanda do produto.

O foco no mercado externo tem vários motivos. Hoje ele ocupa cerca de 30% do que é produzido. A grande questão é que o Brasil já consome muito frango e dificilmente ocorra expansão de mercado. Os brasileiros comem em média 46,7 kg/hab de frango por ano, perdendo apenas para os americanos que chegam a 48,7kg/hab.

O Brasil precisa olhar para mercados como a China e Índia, onde há muito espaço para crescimento, eles consomem apenas 8,3 kg/hab e 3,5kg/hab respectivamente.

E quais são os caminhos para essa expansão? As empresas do setor devem analisar todas as possibilidades e estudar qual será mais efetiva para cada caso.

Há muitos caminhos para expandir uma empresa. Por isso é necessário um criterioso estudo para entender qual é a melhor alternativa para cada negócio.

A primeira opção, na maioria dos casos, é o aumento da capacidade instalada. Essa escolha, normalmente, está ligada em investimento em tecnologia que impulsione a produtividade. Para isso as empresas precisam estar atentas às possibilidades de linhas de crédito. Para saber mais sobre captação de recurso acesse esse link.

Outra alternativa está na aquisição de empresas, um dos caminhos para a expandir é a compra de um concorrente. Para esse processo são necessários muitos estudos de viabilidade e avaliação de riscos. Se quiser saber mais sobre esse assunto, falamos sobre compra e venda de empresas neste link.

3 benefícios da gestão profissional nas empresas

Empresas têm ganhos na tomada de recurso, na avaliação da empresa e na eficiência do negócio quando são geridas de forma profissionalizada.

Por Fernando Balotin

A falta de gestão profissional afeta empresas de diferentes portes, porém as empresas familiares e PMEs, por exemplo, sofrem com a falta de profissionalização na gestão, logo afetando a tomada de decisão. Segundo pesquisa do Sebrae ¼ dessas empresas não sobrevivem depois de dois anos de funcionamento. Por mais que o feeling do proprietário, e/ou fundador seja excelente, o mercado mostra que não é suficiente para garantir a perenidade da empresa.

Existem inúmeros benefícios em uma gestão profissional e estratégica para cada empreendimento. Aqui vamos abordar os três principais pontos que beneficiam diretamente as empresas que profissionalizam sua gestão.

1.      Financiamentos/Empréstimos

A captação de recurso é um momento delicado e importante para o negócio.  A gestão profissional é fundamental para o sucesso desse processo. Começa pela tomada de decisão certa. A escolha e a pesquisa das opções financiamento, saber qual será a melhor opção para cada situação. A outra, e talvez a mais decisiva, é que bancos e fontes de empréstimos confiam em empresas que possuem governança profissional e estruturada, que tenham um diretor, gerente e/ou head financeiro nesta cadeira, garantindo credibilidade e escolha certa na tomada de decisão. É notório que as melhores condições de tomada de crédito se dão para empresas com uma gestão profissionalizada.

2.      Valor da empresa

A gestão profissional também impacta no momento de avaliação de valor de uma empresa. Esse é um dos itens dimensionados para determinar quanto vale o negócio. O processo de Valuation, (você pode entender como funciona essa ferramenta aqui), olha, basicamente, para três cenários: as premissas, que analisam o mercado; para o fluxo de caixa da empresa; e para o histórico, que é sobre como a empresa se comportou até o momento, é nesse ponto que uma gestão profissional fará diferença no valor da empresa.

3.      Ganho de eficiência

Empresas com melhor gestão tem mais possibilidades de serem eficientes e mais lucrativas. Profissionais preparados conseguem traçar estratégias e otimizar resultados, tomando a melhor decisão. Pode parecer “caro” ter profissionais de mercado sentados nas cadeiras mais estratégicas, como financeiro, recursos humanos e operação, ou até mesmo somente um diretor administrativo. Toda via, quando se observa o ganho de eficiência que empresas com gestão profissionalizada têm, vale olhar para as posições estratégicas com carinho. .  

Os benefícios da gestão profissionalizada são inúmeros, mas quando olhamos no prisma das finanças, certamente estes são os mais latentes. E nunca é tarde para organizar às dívidas e começar o processo de profissionalização da gestão.

7 passos para Captação de Recursos

O momento da tomada de crédito pela empresa, quer seja pela expansão ou em períodos de crise, precisa ser analisado com profundidade. Estudos elaborados pela Valuup ajudam a encontrar os melhores caminhos para cada situação. Depois de definir a melhor alternativa de crédito, alguns passos precisam ser seguidos, entenda como começar esse processo em sete passos.

1- Conhecer o fluxo de caixa da sua empresa.

Qual a necessidade de recursos da sua empresa? Qual o prazo de pagamento de fornecedores e o prazo de recebimento de clientes? Qual o tamanho da dívida de sua empresa? Saber as reais necessidades de sua empresa evita que você recorra com frequência à captação de recursos, ou recorra a empréstimos sem antes fazer a lição de casa.

2- Ter informações contábeis organizadas.

Quanto mais organizada estiver a contabilidade da sua empresa mais fácil será a análise por uma instituição financeira. E é provável que mais rápido será o acesso aos recursos.

3- Elencar as garantias e avais que podem ser oferecidos.

Atualmente as instituições financeiras exigem avais e garantias reais. Ter disponibilidade destes instrumentos é fundamental para uma operação bem-sucedida.

4- Identificar títulos recebíveis que podem ser oferecidos em garantia.

Normalmente desconto de títulos, adiantamento de contrato de câmbio e outras operações derivadas do contas a receber da empresa são mais baratas que empréstimos de capital de giro ou conta garantida.

5- Busque financiamentos de longo prazo, sempre que possível.

Buscar linhas de financiamento de longo prazo para máquinas, equipamentos e veículos sempre são mais atrativas, portanto, se o empresário tem disponibilidade de recursos para este tipo de aquisição, deve mantê-lo em sua posse e buscar uma linha de financiamento. Em financiamentos para estes tipos de produtos é possível, às vezes, atrelar capital de giro a um custo atrativo.

6- Analise a possibilidade de trocar dívidas.

Dívidas com custo financeiro alto podem ser trocadas por dívidas com custos menores. Algumas instituições financeiras “compram” este tipo de dívida.

7- Dívidas com custo baixo são boas para a empresa.

Fuja do lugar comum, dívidas baratas são boas para a empresa, pois reduzem o custo de capital dos investimentos.

Maringá Soldas dobra exportações depois de projeto para captação de recursos com a Valuup

Líder nacional no mercado de reposição de peças de veículos automotores, com a produção de cabeçotes para motores a diesel, a Maringá Soldas, comemora a expansão da sua gama de produtos e a ampliação significativa no mercado internacional.

Essa história começou com o desafio da empresa na preparação da expansão para as exportações “nós vimos a necessidade de dar um passo adiante, depois de mais de 40 anos de atuação e consolidada liderança no mercado nacional, precisávamos ter condições reais de concorrência no mercado internacional”, conta o diretor comercial da empresa, Jose Luís Martin.

Foi com a necessidade de captar recursos para investimento na capacidade da fábrica que a Maringá Soldas chegou na Valuup. “O que fizemos foi elaborar um projeto consistente para que as instituições financeiras tivessem a visão real do potencial da empresa no mercado internacional” explica Luís Gustavo Budziak, sócio da Valuup.

“Foi muito importante ter a Valuup nos assessorando em todo esse processo, o material que eles prepararam sobre nossa empresa foi fundamental para que tivéssemos êxito em nosso financiamento”, complementa Martin.

Com o investimento a Maringá Soldas pode importar tecnologia e complementar a oferta de produtos, o que foi determinante para enfrentar a concorrência internacional.

“Nossa expansão nas exportações foi fundamental neste período de crise interna, atravessamos muito melhor a crise brasileira e hoje comemoramos os resultados do projeto” enfatiza o diretor.

A empresa dobrou as exportações depois de consolidado os investimentos proporcionados pelo recurso captado. “É muito importante que todo o processo da captação de recursos para expansão de empresas seja estudado e analisado com cuidado, isso traz segurança para a empresa que dá um passo adiante e também para as instituições provedoras do crédito, todos saem ganhando”, ressalta Budziak.