O lado real da crise: Fluxo de caixa

“Uma empresa não quebra por falta de lucro, ela quebra por falta de caixa.” Essa foi a afirmação de Luiz Antônio Giacomassi Cavet, CFO da Cocelpa, empresa de papel e celulose, na região de Curitiba. Cavet participou, junto com mais de uma dezena de outros empresários, do evento on-line organizado pela Valuup, que discutiu o lado real da economia em meio à crise.

Cada participante teve três minutos para falar sobre as maiores aflições neste momento de incertezas. A maioria citou o caixa como um dos principais pontos de atenção. “Nós ouvimos de muitos empresários sobre a queda abrupta no caixa da empresa. Como pagar salários? Como honrar compromissos com fornecedores? Então, questionamos se as ações do governo estão sendo suficientes. A resposta é que ainda há uma cortina de fumaça sobre essa questão,” relata Luís Gustavo Budziak, sócio da Valuup e um dos organizadores do evento.

“A realidade é que os bancos estão restringindo o crédito e criando dificuldades que teremos que vencer”, segundo Danny Berté, CEO da Perfimec. Essa também foi a opinião de Gilberto Heinzelmann, CEO da Zen, empresa de metalmecânica. “O governo fez os anúncios, mas os recursos não estão chegando na ponta, nós não temos acesso,” explica Heinzelmann.

Dario Beccari, diretor da Mecanotécnica, diz que há um grande esforço pra resolver o problema de caixa, mas que de um dia para outro os clientes deixaram de pagar os produtos que foram enviados. Reforçou que o desafio está chegando a todos os níveis.

A mesma preocupação está na WHB. Ricardo Cecy, CFO da empresa, informou que as medidas governamentais não facilitaram em nada o acesso às linhas de crédito. A empresa passa por uma recuperação judicial e avalia solicitar um novo stay period (colocar link da matéria sobre o assunto) para preservar o caixa da empresa. Cecy também falou da dificuldade das empresas que trabalham na cadeia de produção automotiva, uma vez que o setor é um dos primeiros a sofrer retração e o último a retomar as atividades em momento de crise. “Quem é que vai pensar em comprar um carro novo em um momento como esse?”, questionou o empresário.

A conclusão a que se chegou, depois de ouvir os debatedores, é de que os problemas são comuns, independente do tamanho ou setor de atuação, e de que as fontes de financiamento serão um grande entrave para a recuperação da economia. “Já sabemos onde está o problema, mas ainda não há resposta certa, nem ações efetivas por parte do governo. Nossas dúvidas agora alcançam outro nível, ainda não é possível desenhar um cenário futuro, o momento é de muita incerteza”, conclui Budziak.

Empresários traçam cenário real da economia em meio à crise

O evento online, promovido pela Valuup Consultoria, na manhã desta quarta-feira, (01/04), reuniu cerca de 200 pessoas e trouxe a realidade de mais de uma dezena de empresários. Os organizadores trouxeram para discussão os mais diferentes setores: metal mecânica, serviço hospitalar, supermercados, fundos de investimentos, portos, TI, agronegócio, entre outros.

A Valuup questionou as lideranças empresariais sobre as dificuldades enfrentadas neste período de crise. Os participantes abordaram desafios comuns em diferentes realidades.

A maioria dos debatedores pontuou a manutenção dos empregos e o cuidado com os colaboradores como prioridade dentro das empresas. Os pagamentos de fornecedores, principalmente os de menor porte, também estão entre as preocupações em meio à crise.

Empresários relataram atenção total com o fluxo de caixa e dificuldade para acessar linhas de crédito. No cenário real, os anúncios governamentais sobre liberação de recursos para ajudar empresas a enfrentar a pandemia não estão chegando na ponta.

Além dos depoimentos dos convidados, a organização do evento promoveu questionamentos ao público para entender a opinião de quem acompanhava o debate online. Quando questionado sobre qual setor sofreria mais os impactos da crise, 56% do público disse que o comércio seria o mais afetado, seguido de serviços, com 27%. Construção civil ficou com 9% e indústria de transformação com 7%.

Sobre quanto tempo a empresa sustentaria a operação na situação atual, 44% dos participantes responderam que por apenas dois meses. Até três meses, 21%; também com essa porcentagem, os empresários conseguiriam segurar de três a seis meses. Apenas 14% disseram que conseguiriam manter as portas abertas por mais de seis meses.

A esmagadora maioria, 87%, afirmou estar encontrando muita dificuldade para acessar financiamento novo para capital de giro.

Os convidados falaram sobre seus enfrentamentos e prioridades, no entanto, não conseguiram traçar um cenário futuro, o momento ainda é de muita incerteza. Contudo, houve muitos relatos de esperança e solidariedade, com a certeza de mudanças profundas na cultura e na dinâmica da economia global.

6 alertas de gestão financeira na pandemia COVID-19

O temor ao coronavírus inundou a vida de todos. Mas certamente tem outro temor que tem tirado mais o sono de boa parte dos empresários no Brasil: como manter o caixa vivo em tempos de coronavírus.

Além das prevenções de saúde, é preciso estar atendo à gestão financeira da empresa neste momento, ter o controle da situação é essencial.

Normalmente empresas de médio e pequeno porte não tem caixa futuro suficiente para sobreviver, e o anseio pela crise financeira que está se desenhando coloca em cheque sustentabilidade financeira dos negócios. Algumas dicas para gestão financeira e estabilização do caixa fazem ainda mais sentido neste momento:

  1. Mapeamento completo de custos e despesas: nem sempre os empresários têm o domínio total de todos os custos, despesas e impostos relacionados. Neste momento é fundamental fazer e mapeamento completo, dividindo por grandes grupos e classificando por prioridade para o seu negócio. OBS.: Cuidado com as contas relacionadas a pessoa física que podem estar “penduradas” na pessoa jurídica, eles podem ser determinantes neste momento.
  2. Levantamento e renegociação das dívidas: em muitas empresas as despesas financeiras acabam derretendo todo lucro que poderia gerar. Este é um momento fundamental de levantamento das dívidas com suas taxas e prazos, visando uma possível renegociação das dívidas, as grandes instituições tendem estar dispostos para o movimento de renegociação.
  3. Créditos e financiamentos: os bancos públicos já começam a sinalizar com linhas de créditos diferenciadas, pelo momento, e os bancos privados tendem a seguir o mesmo caminho. Evitando assim que as despesas financeiras não acabem só com o lucro do empresário, e condene a empresa também.
  4. Definição de prioridades: com contas de saída (custos, despesas e dívidas) mapeadas, é o momento de reorganização este mapa, focando no core business da empresa. Descontinuar produtos, linhas e negócios menos rentáveis e priorizar o que mantém a empresa viva no curto prazo, pode ser uma estratégia interessante para este momento;
  5. Negociação de prazos: a situação exige que empresário e sua equipe entrem em contato com os fornecedores e levantem as melhores condições de pagamento, afinal é um momento em que todos estão propensos a este movimento. Com estas informações é necessário voltar a definição de prioridades e por vezes escolher com quais fornecedores manter, não perdendo de vista a necessidade de “sobrevivência” no curto prazo;
  6. Gestão do caixa: a gestão do caixa diário e o acompanhamento sobre a liquidez do negócio se torna a chave mestre deste processo. No fim das contas não é suficiente fazer todos os movimentos citados, se o caixa não realizar o previsto. O caixa se torna o coração da empresa em momentos de crise, e só ele pode sinalizar melhora e/ou piora da saúde financeira.

Todas estas medidas fazem com que possíveis caminhos se abram para que o empresário passe por este período de crise. As informações são as maiores armas para as tomadas de decisões rápidas e eficientes que o momento exige.

A Valuup é especializada em ferramentas econômico financeiras, e pode ajudar com gestão de caixa, estudos de restruturação e soluções financeiras em momentos de crise, nossa equipe está à disposição das empresas que enfrentam estes desafios.

Artigo Gazeta do Povo – Correios: mudanças para crescer

Artigo Publicado originalmente na Gazeta do Povo

Por Lucas Dezordi

Nos últimos anos, as transações econômicas via internet ganharam velocidade e intensidade. Para termos uma ideia, os relatórios sobre e-commerce da Ebit|Nielsen apontaram um crescimento de 12% no primeiro semestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a uma receita de R$ 26,4 bilhões. Cada vez mais, os brasileiros buscam nas compras online presentear seus pais, filhos, companheiros e amigos. Estamos observando uma diversificação cada vez maior de produtos nesse segmento e a entrega final dos produtos e pacotes deve ser ágil e precisa.

Entretanto, a atuação dos Correios no comércio virtual caiu quase 20% nos últimos 6 anos, como aponta estudo conduzido pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm). A participação da estatal passou de 81%, em 2013, para cerca de 62,5% em 2019. Em contrapartida, no mesmo período, a participação das transportadoras privadas no comércio eletrônico saltou de 15% para 33,4%.

A dificuldade dos Correios em ampliar sua competitividade e eficiência nos serviços, frente ao crescimento das transportadoras privadas, é um importante argumento para a privatização desse segmento. Contudo, buscando um modelo de desestatização que sustente a concorrência. Para que isso aconteça, é preciso que a formatação da abertura da empresa não aconteça de forma integral, ou seja, saia do monopólio estatal para se tornar um monopólio privado. Logo, a divisão dessa oferta, oportunizando que várias empresas tenham a possibilidade de atuação, se mostra um caminho sensato. Dividir os Correios por áreas de atuação, regiões etc., pode ser uma alternativa.

Os recentes escândalos envolvendo corrupção nos Correios e sua gestão ineficiente são elementos que favorecem a privatização. Comandar a estatal, além do prejuízo financeiro, enfraqueceu a imagem do estado, que foi carimbado, mais uma vez, como administrador ineficiente. E está na gestão o maior benefício da entrada da iniciativa privada. O comando dos serviços de postagens gerido por empresas profissionais, que buscam eficiência e qualidade, tende a beneficiar todos os usuários do serviço.

Muitos governos estrangeiros já passaram por esse processo de desestatização e estão satisfeitos com as mudanças. Dos países integrantes da União Postal Universal, que reúne 192 nações, 56 renunciaram às empresas públicas para deixá-las a cargo da iniciativa privada. Na lista, temos a Alemanha, que fez a transição gradual. Em 1995, abriu parte do processo, ficando com o monopólio de envio de cartas até 50g, mas, em 2007, repassou tudo para a gestão privada. Portugal acabou com o monopólio em 2014.

Além da venda direta da empresa – seja ela de forma integral ou em partes -, outra alternativa para a diminuição da participação do estado é a abertura de mercado. Neste formato, a empresa passa a ser mista, podendo abrir capital para venda de ações e, assim, ter uma fonte extra de arrecadação.

O fato é que os Correios precisam de mudanças para crescer e as opções do mercado devem fazer parte desse processo. A resposta deve partir dos estudos de viabilidade. Existem muitos caminhos para aliviar o governo, impulsionar o crescimento e entregar mais qualidade aos usuários. Que prevaleça a decisão técnica e consciente dos governantes.

Como os ativos intangíveis alteram o valuation de uma empresa

Selecionamos 8 itens que podem alterar o valor de um negócio e que não podem ser contabilizados de forma simples.

Avaliar uma empresa é uma arte que exige sofisticação. A medida que o valor é percebido de forma diferente é preciso calibrar o peso desses diferenciais no momento do cálculo.  

Entender os valores dos ativos tangíveis é uma prática comum e de menor dificuldade. Existe uma série de ferramentas e metodologias disponíveis e no fim das contas (literalmente) eles são mensuráveis monetariamente.

Mas quando se entra no universo dos ativos intangíveis a conversa sobe o nível e a complexidade se eleva a potencias maiores. Ao longo dos anos esse cálculo vem se tornando uma parte importante, senão a de maior peso, para uma série de empresas e mensurá-lo é hoje um dos maiores desafios do valuation.

Vamos abordar oito pontos em que essas informações precisam ser levadas em consideração, mas calculá-las não se aplica em uma matemática simples: 

1.     Propriedade intelectual: ativos relacionados a criação, patentes, direitos e marcas, ou ainda segredos industriais;

2.     Direitos B2B: basicamente royalties e direitos ou acordo de licença;

3.     Marca: valores relacionados a percepção do consumidor e do mercado;

4.     Intangíveis registráveis: tais como goodwill na aquisição e licenças de software;

5.     Dados: banco de dados, como lista de clientes, por exemplo;

6.     Direitos de não competição: acordos de não competição, que visam preservas receitas;

7.     Relacionamento: valores associados as redes de pessoas e da empresa;

8.     Direitos públicos: direitos de uso, exploração ou permissão de certa atividade ou operação

Todos esses cenários, em algumas empresas, são o bem de maior valor, que mais contribui para a geração de receita. Essa realidade foi comprovada na pesquisa da Brand Finance (2019). Segundo o levantamento 95% dos investidores sêniores concordam que os ativos intangíveis contribuem para o modelo de negócio e objetivos futuros da empresa; outros 88% dos entrevistados concordam que os modelos tradicionais de avaliação, como o fluxo de caixa descontado, não conseguem mensurar os ativos intangíveis. E para 59% dos investidores os ativos intangíveis estão tomando maior significância na hora de decidir investir. 

Avaliar os ativos intangíveis vem tomando um espaço cada vez mais importante na avaliação das empresas. Das 20 empresas mais valiosas no mundo, em 18 o valor dos intangíveis representa mais de 80% do valor da empresa: na Microsoft (mais valiosa) o intangível representa 90% do valor da empresa, na Amazon, 93%; em algumas como: Johnson & Jonhson, Procter & Gamble e Novartis, o valor supera 100%.

A verdade é que essa tendência não terá retorno, será preciso aprofundamento e estudo para se chegar cada vez mais perto da precisão destes valores. O mercado exige a capacitação de profissionais e disposição para desvendar cada empresa e suas particularidades na hora do cálculo.

Cada cenário será construído de forma customizada, não bastará aplicar uma ferramenta padrão para se chegar em um valuation justo.

A Valuup possui profissionais capacitados e dispostos a esses desafios.

Pequenas e médias empresas adotam debêntures

A opção de financiamento, que até pouco tempo era exclusividade das grandes empresas, agora está mais atrativa e acessível.

A captação de recurso é sempre um desafio dentro de um negócio, seja ele de grande ou pequena proporção. É preciso entender o cenário de cada empresa para busca a melhor opção disponível no mercado.

A emissão de debêntures, tradicionalmente, era um instrumento financeiro de alocação de recursos quase sempre utilizados por grandes empresas. Porém recentemente observamos que pequenas e médias empresas passam a se utilizar desse instrumento. Emissões recentes de debêntures estão abaixo do valor de R$ 50 milhões.

Um dos motivos deste movimento são as dificuldades e o valor dos empréstimos ofertados pelos bancos tradicionais. As pequenas e médias empresas começaram a despertar para a busca por sistemas alternativos de financiamento. Um bom planejamento na hora de captar o recurso pode resultar em um projeto muito mais econômicos e viável.

Normalmente estas operações menores são encarteiradas pelo próprio coordenador da emissão ou por um grupo de investidores. As debêntures acabam sendo uma alternativa mais barata à tradicional (bancos) e passam a ser vistas como uma opção pelos investidores em um cenário de queda significativa de taxa de juros dos títulos públicos e os indexados a eles.

Captações recentes via debêntures (fonte: Valor, 18/02/20)

Empresa Valor captado Remuneração a.a. Prazo/vencimento
Agasus R$ 30 milhões DI + 5,75% 2024
Agasus R$ 20 milhões 12,45% pré 6 anos
Plugify R$ 10 milhões 15,8% 5 anos
Flex R$ 23 milhões DI + 4,7% 2022
Faro Energy R$ 15 milhões IPCA + 4,45% 2030
Mais Educação R$ 1,96 milhões IPCA + 11% NI
Agro Talent R$ 30 milhões DI + 4,3% 2022

O custo para emissão de debêntures sempre foi visto como um impeditivo para a sua colocação. Todavia, as dificuldades para a obtenção de recursos financeiros via bancos (garantias e avais), a queda nas taxas de retorno dos investimentos tradicionais e o encarteiramento pelos emissores, possibilitaram que essa alternativa de captação se tornasse atrativa também para as pequenas e médias empresas.

Para que uma pequena ou média empresa saiba se a emissão de debêntures é a melhor alternativa para o seu objetivo é preciso que se faça um estudo técnico. Com o diagnóstico do cenário é preciso formatar um plano de aplicação para a captação. A Valuup consultoria conta com profissionais experientes em projetos de captação de recurso e está à disposição de empresas que têm esse desafio. 

O Brasil vai, finalmente, voltar a crescer?

A retomada econômica do Brasil é o desejo de 10 entre 10 brasileiros. Não à toa, a população está corroída pela crise que se estende há seis anos. O país vive a pior crise da sua história, nenhuma chegou tão fundo e demorou tanto para retomar. Nem a crise de 1930, nem a chamada década perdida de 1980 estagnou a economia desta forma.

Estamos observando sinais de recuperação desde 2017, no entanto, a retomada tem sido muito lenta e modesta e até mesmo imperceptível em alguns setores. O número de maior impacto deste cenário é o desemprego, são mais de 12 milhões de brasileiros a procura de trabalho. É para esse cenário que o país precisa olhar e criar estratégias para combater, pois sem reativar a demanda doméstica, relacionada diretamente aos postos de trabalho, o Brasil não vai voltar a crescer.

Neste sentido já vemos, com clareza, uma política expansionista por parte do governo. Podemos considerar esse cenário quando o Banco Central coloca a taxa de juros reais abaixo de 4%. O que esse número significa? Que parte do dinheiro que estava parado, investido em títulos públicos, com uma renda razoável, agora voltarão para os investimentos produtivos de mercado.

Os juros altos, em uma crise econômica, são sinônimo de risco para os investidores. Por que colocar o dinheiro em um investimento incerto a deixar as reservas aplicadas com um bom rendimento? Mas quando a taxa não é mais atrativa o movimento se inverte. O dinheiro sai dos títulos e entra para movimentar a economia. E é este cenário que se espera para 2020.

A grande aposta é que movimento gere investimento no setor da infraestrutura. A movimentação desse setor pode, de fato, mudar a realidade da economia brasileira. Isso porque o setor é uma fonte expressiva de empregos.

Se esse cenário se concretizar veremos um Brasil melhore neste ano. É possível enxergar um cenário com um PIB acima de 2%, IPCA em torno de 3,6 e uma Taxa Selic em 4,5. Não se espera uma baixa no câmbio que prejudique as exportações, isso porque o governo pretende manter o país atraente para os investidores estrangeiros. Dólar alto por aqui significa investimento estrangeiro mais barato, principalmente, no setor de infraestrutura, a grande aposta do governo brasileiro.

PPA na Aquisição de Empresas

O Laudo é obrigatório (CPC 15) e determina o ágio ou deságio da operação

A aquisição de uma empresa impõe à adquirente uma série de obrigações contábeis e fiscais. Uma delas é a o Laudo PPA, que determina o valor justo dos ativos e passivos, com o objetivo de identificar o ágio ou o deságio gerado na operação de compra e venda.

O CPC-15 (Comitê de Pronunciamentos Contábeis) determina que a empresa adquirente proceda:

  1. O reconhecimento e mensuração dos ativos identificáveis adquiridos, dos passivos assumidos e das participações societárias de não controladores na adquirida; e
  2. O reconhecimento e mensuração do ágio por expectativa de rentabilidade futura (goodwill) ou do ganho proveniente de compra vantajosa.

O Processo

O reconhecimento e a mensuração de uma combinação de negócios exigem regras próprias, diversas do reconhecimento de um ativo comum. Nessa linha, o CPC 15 estabelece que o adquirente deva mensurar os ativos identificáveis adquiridos e os passivos assumidos pelos respectivos valores justos da data da aquisição.

Além disso o adquirente deverá alocar os ativos e passivos ao seu balanço. A ferramenta utilizada para este trabalho denomina-se PPA (Purchase Price Allocation) ou Alocação do Preço de Compra. O PPA consiste num laudo que aloca os ativos e passivos assumidos e é requerido pela Receita Federal (Instrução Normativa IN RFB nº 1700/2017) para o aproveitamento do ágio (goodwill) nas transações de compra de empresas.

Prazo

O prazo para registro do laudo de PPA é de 13 meses a partir da data de aquisição. Caso contrário o ágio não poderá ser aproveitado pela adquirente.

O controle de qualidade Valuup

O índice NPS (Net Promoter Score), que mede a lealdade do cliente, passa de 90%. A grande maioria dos clientes da Valuup recomendam o trabalho para outras empresas.

Após o fechamento de cada trabalho a Valuup realiza uma pesquisa de satisfação com seus clientes. Além de um formulário padrão, a equipe responsável pelo pós-venda, agenda um encontro com a empresa atendida para avaliar o projeto. Com essas informações a gestão da Valuup potencializa os pontos positivos e corrige a rota, caso algo não tenha saído como esperado para o cliente.

“Para nós é muito importante saber se alcançamos as expectativas dos nossos clientes. Nosso propósito é agregar valor ao negócio dele, no final do trabalho é importante saber se cumprimos nosso objetivo” conta Luís Gustavo Budziak, sócio da Valuup.

A primeira pergunta é sobre a equipe, a Valuup quer saber, se na visão do cliente, os colaboradores tiveram preparação e conhecimento necessário. “O nosso maior capital é o nosso conhecimento, precisamos saber se toda a equipe está preparada com esse padrão de qualidade” explica Lucas Dezordi, sócio da empresa. Neste quesito, com notas de 0 a 5, a capacidade técnica da equipe foi avaliada em com nota 5 em 74% e nota 4 em 27% dos trabalhos.

Pergunta-se também com relação à qualidade do material entregue, dentre todos os nossos clientes, 82% nos deram nota máxima. Outra questão muito importante, e levada à sério dentro da empresa, é com relação aos prazos, para essa pergunta, fomos avaliados positivamente por 90% dos entrevistados.

O atendimento também foi um dos itens mais bem posicionados, com nota máxima em 90% dos entrevistados. Outro destaque é a avaliação NPS (Net Promoter Score), 91% dos clientes disseram que utilizariam os serviços novamente e indicariam a Valuup para outras empresas.

“Fechamos o ano felizes com resultado de nossa pesquisa, com a sensação de dever cumprido, e trabalhando para manter e elevar o padrão de qualidade Valuup” finaliza Budziak.

A expansão da avicultura brasileira

O Brasil deve investir no aumento de produção para exportação de frango

As indústrias de frango devem investir no aumento da capacidade produtiva nos próximos anos para atender mercado mundial. Essa necessidade se dá por dois motivos principais:

O primeiro é a carência do produto no mercado internacional. A peste suina inviabilizou a produção da proteína em vários países, o que, de certa forma, ajudou a consolidar o mercado brasileiro, que é livre da doença.

O segundo é que a produção brasileira está estagnada desde 2013, e caso não expanda em volume, irá perder espaço para outros players que estão investindo em tecnologia para aumento da produção.

A estagnação da produção não foi negativa para o setor, a grande procura pelo produto fez o preço aumentar e com isso gerar crescimento do mercado como um todo. A questão está em continuar sendo competitivo no mercado internacional e acompanhar o ritmo da demanda do produto.

O foco no mercado externo tem vários motivos. Hoje ele ocupa cerca de 30% do que é produzido. A grande questão é que o Brasil já consome muito frango e dificilmente ocorra expansão de mercado. Os brasileiros comem em média 46,7 kg/hab de frango por ano, perdendo apenas para os americanos que chegam a 48,7kg/hab.

O Brasil precisa olhar para mercados como a China e Índia, onde há muito espaço para crescimento, eles consomem apenas 8,3 kg/hab e 3,5kg/hab respectivamente.

E quais são os caminhos para essa expansão? As empresas do setor devem analisar todas as possibilidades e estudar qual será mais efetiva para cada caso.

Há muitos caminhos para expandir uma empresa. Por isso é necessário um criterioso estudo para entender qual é a melhor alternativa para cada negócio.

A primeira opção, na maioria dos casos, é o aumento da capacidade instalada. Essa escolha, normalmente, está ligada em investimento em tecnologia que impulsione a produtividade. Para isso as empresas precisam estar atentas às possibilidades de linhas de crédito. Para saber mais sobre captação de recurso acesse esse link.

Outra alternativa está na aquisição de empresas, um dos caminhos para a expandir é a compra de um concorrente. Para esse processo são necessários muitos estudos de viabilidade e avaliação de riscos. Se quiser saber mais sobre esse assunto, falamos sobre compra e venda de empresas neste link.