Posts

A nova política monetária do Fed e seus impactos no Valuation

A Lei Humphrey-Hawkins, aprovada pelo Congresso dos EUA, em 1978, determinou os objetivos do Fed (BC dos EUA): a busca do máximo emprego com preços estáveis e taxas de juros de longo prazo moderadas. Historicamente, o Fed persegue uma meta de inflação de 2% ao ano, alinhada com uma taxa de desemprego natural, a qual não tende a pressionar o nível geral de preços. É a famosa curva de Phillips expandida pelas expectativas racionais. Entretanto, na quinta-feira, dia 27 de agosto, durante o Simpósio Econômico de Jackson Hole, o presidente do Fed, Jerome Powell, anunciou uma nova estratégia de política monetária, definindo uma meta de inflação média de 2% ao longo do tempo. Atualmente a economia dos EUA não está alinhada a esse objetivo. Conforme o gráfico a seguir, nos últimos dez anos, a inflação média do CPI foi de 1,74% anualizada. Como consequência, a autoridade monetária estará inclinada a aceitar um processo inflacionário mais intenso no curto prazo, pois o comportamento mais forte dos preços ajudaria no realinhamento das expectativas inflacionárias de longo prazo mais perto de 2,0%.

Fonte: BLS
Nota: CPI para todos os consumidores urbanos, todos os itens (CPI-U).

Como resposta à crise financeira internacional de 2008-2009, o Fed implementou políticas monetárias mais flexíveis com forte expansão de liquidez. Durante a recuperação da crise, a economia passou a registrar processos inflacionários mais intensos a partir de 2011, mas foi um período curto. A economia logo voltou a operar com taxas de inflação abaixo de 2%. Seguindo essa lógica, a adoção de políticas monetárias mais expansionistas para combater os efeitos recessivos decorrentes da pandemia e do isolamento social pode pressionar a inflação norte-americana e mundial no curto prazo. No entanto, no longo prazo, a economia poderá se ajustar com avanço de produtividade, mudança nos contratos dos mercados de trabalho, entre outros, o que poderá contribuir para uma desinflação. É nesse novo cenário de mudanças institucionais e avanços tecnológicos que o BC americano entende que a taxa de juros poderá ficar em um nível suficientemente baixo por um longo período e deixar a economia “rodar” no curto prazo com um processo inflacionário mais forte.

Contudo, há dúvidas em relação à condução da política monetária norte-americana. A primeira delas diz respeito sobre qual média de inflação o Fed vai perseguir. Ainda não está claro se, para o cálculo dessa média, serão dez, cinco ou três anos, por exemplo. A segunda questão refere-se ao comportamento do mercado de trabalho. Qual taxa de desemprego a autoridade monetária considera saudável para o funcionamento da economia? Pode-se trabalhar com uma taxa de desemprego natural específica ou deve-se focar a análise em vários indicadores do mercado de trabalho?

O fato é que uma política monetária focada na manutenção de uma taxa de juros baixa, por um longo período, inundará o mercado financeiro internacional de liquidez. Os impactos positivos sobre as empresas brasileiras estarão expressos em taxa de juros livre de risco menor. Com isso, os fluxos projetados ao longo do tempo, em um estudo de valuation, por exemplo, serão descontados a uma taxa menor. O valor das empresas tende a subir e os investidores terão maior apetite por ativos de risco. Nesse sentido, entende-se que os novos estudos de valor devem incorporar esse cenário para o processo de precificação dos ativos em operação.

A Recuperação do Varejo na Economia Brasileira

Os economistas esperam que o segundo trimestre de 2020 venha apresentar os piores números sobre o desempenho do PIB, em virtude da forte recessão ocasionada pelo corona vírus. Provavelmente, em relação ao mesmo período do ano anterior, o PIB irá cair em torno de 11% – uma retração nunca vista antes em nosso país. Grande parte dessa queda será puxada pelo comércio, principalmente pelas dificuldades enfrentadas pelas pequenas e médias empresas.

Os dados de março e abril, da Tabela 1, indicam quedas das vendas varejistas de 2,8% e 16,3%, respectivamente. Adicionando veículos e material de construção, constata-se que a redução foi maior: 14,0% e 17,5%, respectivamente. Para nosso alívio, em maio, o volume de vendas do comércio varejista nacional mostrou aumento de 13,9%, frente ao mês imediatamente anterior. O resultado foi melhor, considerando o comércio varejista ampliado, com alta de 19,6%. Realmente, as vendas de veículos apresentaram uma significativa recuperação.

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria.

As atividades que menos foram afetadas pelos impactos da Covid-19 foram as de hipermercados, supermercados e produtos alimentícios (2,7%) e as de artigos de farmácia e equipamentos médicos (5,3%). Essas atividades, consideradas essenciais, não ficaram paralisadas totalmente durante o isolamento social ou a quarentena mais rígida.

Os setores que mais sofreram estão registrando, a partir de maio, uma excelente retomada. Em especial, as atividades de vestuário (100,6%), móveis e eletrodomésticos (47,5%) e artigos de uso pessoal (45,2%), no comércio varejista restrito. No ampliado, as vendas de veículos e motos (51,7%) e material de construção (22,2%) aumentaram consideravelmente indicando uma retomada mais rápida e vigorosa.

Em linhas gerais, a recuperação de nossa economia, necessariamente, passa pela retomada das atividades do comércio varejista as quais já estamos identificando.

Na série sem ajuste, no confronto com igual mês do ano anterior, o comércio varejista assinalou recuo de 7,2% em maio de 2020 (conforme tabela 1), reduzindo o ritmo de queda de abril de 2020 (-17,1%), terceira taxa negativa consecutiva. O indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 0,6% em abril para estabilidade (0,0%) em maio, sinaliza perda de ritmo das vendas. O comércio varejista ampliado, frente a maio de 2019, mostrou recuo de 14,9% reduzindo o ritmo de queda (-27,4%) frente a abril de 2020, terceira taxa negativa consecutiva. Assim, o varejo ampliado acumulou perda de 8,6% no indicador acumulado no ano de 2020 contra -6,9% no mês anterior. O indicador acumulado nos últimos doze meses, ao passar de 0,8% até abril para -1,0% até maio, registra primeiro sinal negativo para a série desde setembro de 2017.

O aumento de 13,9% no volume de vendas do comércio varejista na passagem de abril para maio de 2020, na série com ajuste sazonal, registrou taxas positivas em todas as 8 atividades pesquisadas, apresentadas a seguir por ordem de magnitude de taxa: tecidos, vestuário e calçados (100,6%), móveis e eletrodomésticos (47,5%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (45,2%), livros, jornais, revistas e papelaria (18,5%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (16,6%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (10,3%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (7,1%) e combustíveis e lubrificantes (5,9%), conforme o Gráfico 3. Considerando o comércio varejista ampliado, em maio, o volume de vendas aumentou 19,6%, frente a abril de 2020, na série com ajuste sazonal, também registrada em ambos os setores que compõem esse indicador (além dos 8 que integram o comércio varejista, descritos acima): veículos, motos, partes e peças registraram crescimento de 51,7% e material de construção  22,2%. Vale ressaltar que os dois setores vinham em queda no mês anterior: -35,8% para o setor de veículos e -1,9% para material de construção.

Mercado externo: alerta no momento de pandemia

Como o mercado externo ajuda a reforçar o caixa das empresas

No dia 23 de maio de 2020, a Valuup realizou mais um café da manhã virtual com seus clientes. As empresas inseridas pertencem aos seguintes setores: papel e celulose, metalmecânico e equipamentos.

O setor de papel e celulose, especialmente de sacarias, tem sido favorecido na atual conjuntura, destacou Luiz Antônio Giacomassi Cavet, CFO da Cocelpa. O executivo também lembrou a importância do mercado externo no mês de abril que, entretanto, vem sentindo recentemente uma queda de demanda. Cavet ainda evidenciou a oportunidade de “travar o câmbio” nas vendas externas, mas pontuou que esse tipo de hedge já começa a ficar caro.

Para Eduardo Bach Anelli, gerente financeiro da Valmet, o mercado externo também vem representando uma oportunidade para sua empresa. Contudo, frisou que as vendas para a Argentina estão sendo feitas somente em cash advance (adiantamento do cliente) devido às dificuldades com recebimento do país vizinho.

A preocupação com a Argentina também foi lembrada pelo diretor da Mecanotécnica, Dario Beccari. Ele destacou que o volume de vendas para o setor automotivo nacional despencou 50%, se comparado com o orçado pela empresa. Porém, tem havido oportunidades no fornecimento para o setor elétrico e geração de energia. O que tem ajudado o caixa da empresa são os ACCs (Adiantamentos de Contrato de Câmbio), os quais foram destacados como importantes, no momento, pelos quatro executivos que participaram do café virtual.

Para a Reivax, empresa que produz equipamentos para usinas, os projetos não param, segundo seu diretor, Nelson Zeni. Entretanto, a dificuldade está sendo concluir as instalações dos equipamentos nas usinas porque muitas empresas de geração não permitem esse trabalho no quadro atual de pandemia, o que impede o recebimento por parte da empresa. A Reivax tem trabalhado com antecipação de recebimento para proteger seu caixa; todavia, Zeni destacou que há forte descasamento entre os ACEs/ACCs e os embarques dos seus equipamentos devido, sobretudo, às postergações de embarque por parte dos clientes.

Sobre os empregos, Anelli destacou que a Valmet propôs uma redução de jornada de trabalho para os funcionários em home office e criou um banco de horas, conforme permitido pela MP 963. Zeni comentou que a Reivax aproveitou para zerar as férias dos seus empregados.

Nesse café virtual, observamos mais uma vez o destaque dado ao mercado externo, à importância dos ACCs e do dólar, nesse atual cenário, como fonte de recursos e reforço de caixa para as empresas.

Executivos afirmam que pretendem manter os investimentos em 2020, mas crédito de instituição financeira está difícil

O café da manhã virtual com clientes da Valuup reuniu, no dia 21/05/20, diferentes setores: transporte, segurança, alimentação e suplementação animal e indústria de equipamentos do setor elétrico.

Carlos Eduardo B. de Oliveira, gerente financeiro da Pizzatolog, empresa que atua no transporte de cargas rodoviárias, destacou que o setor sofre os efeitos da cadeia econômica em que está inserido. Para a Pizzatolog, a principal queda veio da redução de transporte de produtos cosméticos e perfumaria e em decorrência do varejo de uma maneira geral. Apontou que, depois de 60 dias, houve uma baixa motivação dos funcionários para o home office.

Para o CEO Erick de Luca do grupo Security, empresa no segmento de segurança e limpeza, há duas realidades distintas no país: no interior, os negócios continuam ocorrendo; porém, nos grandes centros o temor é grande. De acordo com ele, o agro tem sido uma boa fonte de faturamento para a Security; entretanto, afirmou que a empresa vem enfrentando redução de contratos a pedido dos clientes.

Para a empresa especializada em suplementação animal, Organnact, a queda nas vendas ocorreu no mês de março, com um impacto de 40%, segundo seu gerente financeiro, Roberto Anderman Bacila. Porém, em abril, de acordo com ele, “houve uma retomada dos negócios”. A empresa vem se concentrando na redução de custos e no lançamento de novos produtos, incluindo o canal de vendas on-line. Roberto salientou que houve também um aumento expressivo das taxas de juros para antecipação de recebíveis.

Já para Alexandre Baltazar, diretor da Maxxweld, indústria de equipamentos para o setor de energia, o mercado está estável devido às obras já contratadas; todavia, apontou uma redução de 15% no faturamento. O diretor também destacou uma preocupação com relação à paralização das obras em decorrência dos impedimentos impostos pelas prefeituras.

Os executivos foram unânimes em afirmar que pretendem manter os investimentos programados em 2020. Oliveira, da Pizzatolog, ressaltou que vem se utilizando das reduções tributárias permitidas pela MP 936/20.

De Luca, da Security, lembrou-se da dificuldade de acesso ao crédito do sistema financeiro e que, diante disso, o departamento jurídico da empresa vem agindo no sentido de liberar valores para ajudar no caixa.

Outro ponto evidenciado foi a importância do caixa para este momento de crise: todos tinham caixa para passar por esse momento.

Os impactos do coronavírus no Mercado de Trabalho

No mês de maio, o Caged divulgou o movimento de admissões e desligamentos e também os saldos do emprego formal (CLT) na economia brasileira para os meses de janeiro a abril. Os gráficos a seguir apresentam a evolução dos saldos de emprego geral e por setor:

Observamos uma acentuada queda no saldo de empregos em março e uma queda ainda maior em abril, indicando forte piora no mercado de trabalho brasileiro. Tal queda não deixa de ser um reflexo, em grande parte, das restrições de circulação impostas no combate à Covid19, por isso a consequente redução da atividade econômica.

Em relação aos setores que apresentaram os piores saldos de emprego estão as atividades de serviços e comércio. Como indicado pelos estudos da Valuup Consultoria, grande parte dos empresários e executivos indicava que tais atividades seriam mais afetadas. Em seguida, temos o setor industrial, o qual apresentou uma forte redução no emprego. Sobre as regiões brasileiras, o Sudeste registrou a pior situação, com saldo negativo de 450 mil empregos até abril, em grande parte por conta do estado de São Paulo, com saldo negativo de 260 mil empregos também nesse mês. As cidades do Rio de Janeiro e São Paulo sofreram forte impacto em virtude do isolamento social.

Entender a relação entre emprego e produção no curto prazo é fundamental para projetarmos o desempenho do PIB neste ano. Em nossa análise, estimamos um saldo negativo (desligamentos maiores que admissões) no ano de 2020 de aproximadamente 2,8 milhões de trabalhadores, gerando com isso uma queda do PIB de cerca de 7%. Esse movimento, acrescentado aos impactos no mercado informal de trabalho, pode gerar uma taxa de desemprego de aproximadamente 17% da força de trabalho.

Com isso, defendemos que ações governamentais que visam manter o emprego e o funcionamento das empresas são imprescindíveis para evitar uma recessão mais profunda em nossa economia. Infelizmente, os empréstimos emergenciais às pequenas e médias empresas não estão chegando à ponta final. Empresários precisam de capital de giro emergencial para enfrentar a dramática queda na receita, evitando com isso uma onda de desligamentos.

Redução de Despesas Fixas e Diversificação de Produtos

Lições aprendidas com a pandemia da COVID-19 por quatro diferentes setores

Na última quarta-feira, dia 13/05/20, a Valuup promoveu um encontro virtual de cinco empresas pertencentes a quatro diferentes setores: mineração, metal mecânico, autopeças e financeiro. O objetivo era apresentar as lições já aprendidas na pandemia da COVID-19 e perspectivas para retomada econômica.

Os pontos de maior destaque foram:

  1. Novas oportunidades de produtos e produtos exclusivos;
  2. Atenção especial aos estoques;
  3. Economia provocada pelo home office;
  4. Dificuldade de acesso ao BNDES Giro;
  5. Aumento do protecionismo das empresas e países.

Da porta pra dentro das empresas é consenso que o caixa é o que importa. Cash is the king! No entanto, o diretor da Perfimec, Marcelo Utrabo, destacou que a empresa vem dando especial atenção aos estoques, principalmente porque é dependente de fornecedores de grande porte (aço) e por ter um ciclo financeiro longo. Utrabo lembrou que os fornecedores ainda não estão “queimando preço” e que não sabe se isso pode ocorrer devido ao impacto da variação cambial.

Outro ponto importante se refere à redução das despesas fixas para as empresas com a adoção do home office. Marcos Marcatto, diretor da Enaex Britanite, lembra que o home office representou uma economia significativa para a empresa. Outro ponto enfatizado por Marcatto foi a baixa inadimplência do setor em que atua. A Enaex opera no setor de mineração, e os impactos da crise econômica foram baixos para o setor  até o momento.

Outra empresa no setor de mineração, a T- Minas Bentonitas, também não está sofrendo muito com a crise atual, afirma Felipe Corbellini, diretor da empresa. Isso se deve ao fato de a empresa atuar fortemente no fornecimento de matéria-prima para o agronegócio. Porém, o executivo reclama que não consegue acessar as linhas de crédito prometidas pelo governo, como o BNDES Giro.

O impacto positivo, por conta da redução de despesas fixas em decorrência do home office, também foi abordado por Eduardo Freitas, diretor da Junto Seguros. Para Freitas, a forma de trabalhar poderá mudar no futuro, tendo redução de aluguéis, despesas de escritório e com funcionários, além de haver maior satisfação dos empregados por trabalharem em casa. Freitas observou que o mundo poderá convergir para um maior protecionismo, não só entre países, mas também no ambiente corporativo.

Buscar novos nichos de mercado, oferendo produtos exclusivos e “quebrar paradigmas”, isso é o que o Grupo Hubner vem tentando fazer, segundo o seu diretor, José Luis Marins. “Pode ser uma oportunidade para consolidar um mercado”, lembra José Luis. Com os olhos no Mercosul, o diretor afirma que a empresa vem tendo dificuldades para receber de empresas argentinas. Apesar de a Hubner atuar num setor que vem sofrendo bastante, o de autopeças, a empresa conseguiu trabalhar fortemente no segmento de reposição de peças e peças para o agronegócio, o que evitou amargar prejuízos.

Os executivos convergem ao destacar a habilidade do brasileiro em lidar com situações de vulnerabilidade econômica, podendo essa habilidade ajudar a contornar a atual crise. Outro ponto destacado é que as exportações, com dólar na casa dos R$ 5,50, podem ajudar a impulsionar a retomada do crescimento brasileiro. Quem sabe o Brasil volta pro jogo!

Dois cenários para o futuro da economia no Brasil

A pandemia, causada pela COVID-19, encontrou a economia brasileira frágil, ensaiando os primeiros passos para a retomada depois de seis anos de crise. Não se esperava outra coisa que não uma queda livre da produção, do consumo e aumento generalizado do desemprego. Mas os últimos acontecimentos políticos no país provaram que o cenário pode ser ainda pior.

É possível visualizar dois cenários, um pessimista e outro muito pessimista. Vamos começar pelo pior.

Cenário1: muito pessimista

O pior dos cenários projetados para o Brasil para os próximos meses inclui a piora da crise política, somada à instabilidade econômica e ao avanço da pandemia. A união dos três fatores custaria alto para a sociedade brasileira. Quais fatos poderiam determinar esse cenário catastrófico?

  • A saída de Paulo Guedes do governo, uma troca de comando no Banco Central e a interferência política de militares na condução da economia;
  • A apresentação de mais evidências, pelo ex-ministro Sergio Moro, de interferências políticas do presidente nas investigações da Polícia Federal;
  • A Procuradoria Geral da República (PGR) oferecer denúncia ao Judiciário, e esse processo, encaminhado pela corte, ser aceito no Congresso;
  • O avanço do Plano Pró-Brasil, com Rogério Marinho, mas sem uma pauta consistente de reforma que garanta a solvência do Estado brasileiro;
  • O avanço do contágio por coronavírus, com aumento de internações e mortes acima do projetado;
  • O pico da pandemia se prolongar até junho.

Diante desses fatos, imaginam-se uma recessão intensa, profunda e longa (em W), uma queda abrupta do PIB e um dólar alto. Veremos também pressão na curva de juros de curto e médio prazos. Podemos, inclusive, ser ver o aumento da taxa Selic.

O resultado de tudo será a redução do crédito ao consumo de bens semiduráveis (eletrodomésticos, roupas) e financiamento (bens de capital e imóveis).

Cenário2: pessimista

Para esse cenário, um pouco menos pessimista, enxerga-se o Brasil ainda com piora na crise política, no entanto, com estabilidade econômica e sem avanço dos estímulos fiscais, vislumbrando também o controle da pandemia. Para que essa realidade prospere, seria necessário:

  • Paulo Guedes permanecer no governo e manter comando do Banco Central;
  • PGR conseguir reduzir a interferência política dos militares na economia;
  • A apresentação de mais evidências pelo ex-ministro, Sergio Moro, de interferências política do presidente nas investigações da Polícia Federal;
  • A Procuradoria Geral da República (PGR) oferecer denúncia ao Judiciário, e esse processo, encaminhado pela corte, ser aceito no Congresso;
  • Plano Pró-Brasil não avançar sem uma pauta consistente de reforma que garanta a solvência do Estado brasileiro;
  • Em relação ao coronavírus, avanço no número de internações e mortes igual ao projetado.
  • Pico da pandemia acontecer em abril e início de maio.

Neste caso teremos uma recessão daria profunda e longa (em U). Também com queda do PIB, ainda que um pouco menor. Haveria pressão na curva de juros de longo prazo. O dólar se manteria alto. A taxa Selic se manteria como no cenário anterior, podendo subir para conter o câmbio. Ainda assim, veríamos a redução do crédito ao consumo de bens semiduráveis (eletrodomésticos, roupas) e financiamento (bens de capital e imóveis).

Não haverá como fugir da crise que já está instalada, entretanto, o que se espera é que fatores políticos não venham causar ainda mais sofrimento a uma economia duramente fragilizada.