Posts

Por que os gestores precisam estar atentos aos índices macroeconômicos?

Saber para que lado o vento sopra. Entender que caminho a economia do país, e também o mercado internacional, estão seguindo. Essas informações, principalmente a interpretação delas, têm se tornado um grande diferencial de mercado.

É fato que nenhuma empresa vive em um ciclo fechado, as influências são múltiplas, logo, não se pode permitir ignorar os acontecimentos externos. No entanto, a grande questão está na análise, é preciso estudar com profundidade quais serão as consequências diretas e indiretas desses movimentos.

Hoje, dentro das empresas, os tomadores de decisão, além das competências de gestão de ordem prática, precisam estar constantemente atentos a esses índices. A tarefa é correlacionar o que acontece lá fora com a realidade interna. Tarefa nada fácil para quem tem uma engrenagem inteira nas mãos.

Outro complicador para essa tarefa são as múltiplas fontes de informações que precisam ser cruzadas. As empresas precisam estar atentas se os mercados estão em retração ou expansão; como caminha a inflação, que repercutirá diretamente nos custos; como anda o comportamento dos preços, a renda per capita, a política salarial; que pé está a renda e o custo de vida dos consumidores. Esses são apenas alguns aspectos essenciais para o planejamento e gerenciamento de um negócio.

Ainda podemos entrar no domínio e conhecimento sofre os recursos disponíveis: como anda a taxa de juros? Há fontes internas e externas para empréstimos disponíveis? Qual é a melhor opção ao analisar a macroeconomia? O governo tem programas de incentivo que se encaixam no meu projeto?

É possível concluir que, apesar de ser essencial, a análise macroeconômica com aplicação personalizada não é nada simples. Por isso vamos relacionar aqui alguns índices que não podem ser esquecidos e precisam estar no radar constante dos gestores.

PIB

É essencial que se saiba quanto o país produziu no intervalo de um ano. O PIB é uma medida essencial para balizar se a economia está expandindo ou encolhendo. Na recessão dos anos 2015 e 2016 o PIB chegou a cair 7% e a lenta recuperação de nossa atividade produtiva indica que as empresas ainda sofrem com um mercado retraído.

Índices de consumo

Uma das formas mais eficazes de medir a febre da economia são por meio dos índices de consumo das unidades familiares, que inclusive são um dos pilares do cálculo do PIB. Para termos uma ideia de sua importância, o consumo das famílias responde por cerca de 60% do PIB. Ou seja, esse motor de crescimento está muito mais alinhado com a queda dos juros, expansão do crédito e a retoma da confiança dos consumidores.

Desemprego

Não há nada que preocupe mais um país que ver seus índices de desemprego ladeira acima. Elevadas taxas de desemprego indicam uma ociosidade da força de trabalho. O maior desafio de nossa economia consiste em combater a elevada taxa de desemprego e retomar o nível de renda das famílias brasileiras.

Inflação

As empresas privadas precisam se orientar através do bom funcionamento do sistema de preços da economia. Em períodos de inflação elevada, os mercados deixam de ser um sistema eficiente e a economia pode entrar em recessão.

Taxa de juros

A taxa de juros é o preço do dinheiro em diversos mercados. Para os macroeconomistas, a taxa de juros Selic, formada no mercado bancário, é a mais importante e referência para a formação de diversos preços do dinheiro.

O valor do dinheiro é algo importante para o dia a dia da empresa, por isso acompanhar a taxa de juros é algo até mais prático que estratégico, no entanto, os movimentos dessa variável podem dizer muita coisa sobre investimentos futuros e planejamento a longo prazo.

Esses são apenas alguns parâmetros básicos para a análise da direção do vento. As empresas têm profissionalizado esses estudos e mitigado as perdas pela falta de análise desses cenários. A Valuup oferece projetos personalizados que aprofundam todos os impactos possíveis no curto, médio e longo prazo. Estudos como esse amplificam e dão segurança às empresas. Cada vez mais é preciso tomar decisões baseados na realidade da empresa e nos índices macroeconômico e assim, não ir de encontro ao vento, por falta de informação e interpretação.

O que esperar de 2019?

São positivos os primeiros sintomas da economia brasileira com a mudança de gestão política em 2019. A bolsa vem reagindo bem e o dólar circula na casa dos R$3,70, o que é muito positivo e saudável para a situação atual do país.

Na parte política os anúncios e as primeiras ações demostraram confiança ao mercado, a redução de Ministérios, com a promessa de enxugamento da máquina pública, enviou um recado positivo aos investidores. Ainda assim sabemos que há muito o que ser feito e a recuperação será a passos lentos.

Entendemos que os principais desafios da nova equipe econômica se encontram na área fiscal. Reduzir o atual déficit público de 7,10% para 6,50% do PIB em 2019 vai exigir do novo governo uma bela diminuição das despesas correntes da administração pública, aliada a aprovação da Reforma da Previdência. Segundo os economistas ouvidos pelo Banco Central do Brasil (BCB), a partir dessas medidas o déficit público do setor público em relação ao PIB (riqueza gerada pelo País) apresentará uma dinâmica decrescente, contribuindo com isso para a redução da dívida pública brasileira. Em um cenário de folga orçamentária, o governo poderá avançar de forma consistente em uma Reforma Tributária, reduzindo o número e a carga de impostos indiretos os quais incidem violentamente no processo de produção e geração de riqueza.

Se formos olhar para as principais expectativas macroeconômicos para este ano, poderemos encontrar um ambiente mais otimista em favor da recuperação da economia. Estamos falando da tabela a seguir a qual trás as expectativas recentes do mercado financeiro, coletadas pelo Banco Central do Brasil (BCB), para o final do ano de 2019.

Fonte: Relatório de Mercado Focus, 11 de janeiro de 2019.

Espera-se que o PIB venha crescer em torno de 2,57%, puxado pela retomada dos serviços e indústria. Um ajuste na taxa de juros Selic de 50 pontos-base passando para 7,00% ao ano no final do ano. A notícia boa é que a economia brasileira nunca operou por um prazo tão extenso com uma taxa de juros anuais abaixo de 8%. O efeito natural consiste no reestabelecimento do crédito ao consumidor e as firmas; condição essencial para a retomada do consumo das famílias e o investimento das empresas. No lado externo, o mercado estima uma taxa de câmbio mais bem-comportada, próxima a R$ 3,80 por dólar norte-americano. Ou seja, não há por hora uma preocupação do mercado em que a taxa de câmbio venha a ultrapassar o patamar de R$ 4,00, no ano de 2019. Como consequência final, teremos uma taxa de inflação (IPCA) alinhada com a meta de 4,25% para dezembro desse ano, indicando um equilíbrio macroeconômico.

Em 2019, esperamos que a retomada do crescimento econômico venha se consolidar. Pelo lado da oferta teremos indicadores mais favoráveis dos setores econômicos, em especial indústria e serviços; e pelo lado da demanda a expansão do consumo das famílias e da melhora no financiamento das empresas.

E agora, com o futuro definido, o que muda na economia?

Com um cenário político definido, a economia começa a se ajustar a nova realidade e já é possível fazer algumas projeções. Vamos aos fatos.

O anúncio da redução dos ministérios e, por consequência, o enxugamento da máquina pública trouxe um horizonte otimista. Essa é uma das ações para a meta, bem audaciosa por sinal, de zerar o déficit fiscal primário já em 2019, que hoje está na casa dos R$ 140 bilhões.

Essa diferença, entre a arrecadação e despesas públicas (excluindo gastos com juros), quando expressiva, aumenta a dinâmica da dívida pública sobre o PIB. Para sermos mais diretos, pagamos 7,2% do PIB com essa conta. E é essa sangria que o futuro governo precisa estancar.

É um longo caminho até lá. A redução dos gastos públicos é um bom sinal, mas é mais um símbolo positivo que um efeito prático, pois os valores economizados não serão, nem de longe, suficientes para equilibrar as contas, mas sem dúvidas não deixa de ser uma parte importante.

A grande expectativa ainda é a Reforma da Previdência. Empresários e investidores estão ansiosos para saber que desfecho o novo governo dará para esse dramalhão brasileiro que vem se arrastando. Mas há muitos personagens envolvidos para que o enredo chegue ao clímax: Congresso e Senado precisam estar de acordo.

Outra possibilidade já aventada por membros do novo governo seria viabilizar o leilão do excedente da cessão onerosa, que poderia arrecadar aproximadamente R$ 100 bilhões em troca de contratos para exploração de petróleo no pré-sal.

Se tudo isso se concretizar? Como os efeitos positivos chegarão na economia? Um sintoma importante e prático poderá ser a redução dos juros reais para financiamentos a longo prazo do déficit do Tesouro Nacional. Se a equipe econômica conseguir estabelecer ações para que essas taxas baixem para a casa dos 4% seria o ideal. Hoje, as Notas do Tesouro Nacional (NTN-B) com vencimento em 2035 estão pagado juros reais de 5,2% ao ano.

Um impacto direto seria no setor da construção civil, pois financiamentos de longo prazo estão ligados à infraestrutura e aquisição de imóveis, principalmente. A retomada na demanda dessas atividades seria fundamental para reestabelecer a economia brasileira, combatendo a elevada taxa de desemprego.

As promessas são animadoras, mas agora se espera a parte prática e o resultado das ações. Aguardemos.

O que esperar de 2016?

Lucas Lautert Dezordi: doutor em Economia e sócio da Valuup Consoltoria

Sem sombra de dúvidas, 2015 será marcado como um dos piores anos de nossa história recente, no que se refere à capacidade de geração de renda, emprego e riqueza. Como consequência, as expectativas dos agentes de mercado em relação ao futuro da economia brasileira foram gradativamente se deteriorando, tanto para este ano como para 2016. Este breve artigo apresenta o comportamento de quatro variáveis importantes as quais merecem um acompanhamento constante. Como fonte de análise, utilizamos as informações sobre o mercado através da Pesquisa Focus do Banco Central do Brasil, em um período de 01/01/2015 a 20/11/2015. Vamos começar pela produção.

espectativa-2016-valuup-consultoria

 

 

Expectativas do PIB

 

O mercado financeiro, em janeiro de 2015, esperava um crescimento do PIB para 2015 e 2016, respectivamente, na ordem de 0,5% e 1,8%. Os últimos dados da pesquisa indicam que teremos uma forte recessão no período, principalmente pelo fraco desempenho dos setores da Indústria e Serviços.

grafico-valuup-1

 

Expectativas do IPCA

 

Aliado ao medíocre crescimento da renda, nossa economia vem registrando um preocupante processo inflacionário. As expectativas do IPCA subiram de 6,57% para 10,33% para 2015, conforme Gráfico 2. Certamente, essa inflação muito elevada em 2015 irá contaminar os preços em 2016. As informações mais atuais sobre as expetativas do IPCA para 2016 indicam uma taxa acima do limite superior de 6,50%. Ou seja, o Banco Central está com muita dificuldade em combater a forte escalada de preços.

grafico-valuup-2

Expectativas do Câmbio

 

A consequência natural de economias com fortes processos inflacionários é a geração de uma forte pressão sobre a taxa de câmbio. O Gráfico 3 indica que o mercado estimava, em janeiro de 2015, uma taxa de câmbio para 2015 e 2016 em torno de R$ 2,90. Esse cenário foi se deteriorando e prejudicando o controle inflacionário. Atualmente, é praticamente consenso que a economia brasileira vai operar, no ano de 2016, com uma taxa de câmbio acima dos R$ 4,00.

É claro que teremos um quadro mais interessante para as exportações e uma melhora na balança comercial e nas contas externas. Contudo, pela pressão inflacionária que o câmbio exerce nos preços domésticos, torna-se claro que a taxa de juros Selic deverá ser mantida em patamares elevados, em torno de 14% ao ano, em 2016.

grafico-valuup-3

Expectativas do Déficit Público

 

Consideramos que o problema mais grave da economia brasileira seja o atual e esperado desequilíbrio fiscal. O Gráfico 4 destaca essa questão. No início de 2015, esperava-se que a partir do ajuste fiscal, o Governo Consolidado (estados, municípios, BC, estatais e governo central) fosse registrar um déficit público de cerca de 5,0% em 2015 e 4,0% em 2016. Entretanto, com a dificuldade em aprovar as medidas de ajuste no Congresso Nacional, esse cenário foi se deteriorando. Atualmente, o mercado financeiro está extremamente pessimista em relação às contas públicas. As expectativas indicam um déficit público na ordem de 9,5% para 2015 e 7,8% para 2016. Ou seja, extremamente elevados.

grafico-valuup-4

A partir de uma breve análise desses quatros indicadores, temos a convicção que 2016 será um ano tão difícil quanto seu antecessor. A economia ainda apresentará um quadro recessivo, com fortes pressões inflacionárias. E, enquanto as questões fiscais não forem amenizadas, as expectativas dos agentes econômicos continuarão se deteriorando.